S.O.C.O - Suprimir o Opressor Com Opressão

Trabalho realizado em parceria com a Coletiva Elas, durante a residência de Boxe Coreográfico, coordenada pela artista Carolina Nóbrega

Concepção e direção: Carolina Nóbrega

Terroristas Poéticxs: Anne Motta, Breno Andreata, Murilo Gaulês, Rafaela Castro, Mahogany e Helena Araújo.

Premissa: O fenômeno eleitoral que consumiu o ano de 2018 trouxe á tona um neofascismo higienista. A pauta principal das eleições giravam em torno de uma faxina ontológica de exterminio de minorias. Os discursos de pacificação, propagados por instituições neoliberais na tentativa de domesticar uma possível insurgência popular, passou a perder sentido para os corpos dissidentes e periféricos. E é desse desdobramento que surge este encontro de estudos sobre a violência. Apoiados nos estudos anti-coloniais sobre necropoder e numa perspectiva prática de experimentação com o boxe, como tecnológia coreografica de preparação fisisco-afetiva-corporal antifascista, S.O.C.O. é um grito que urge deste experimento e propõe uma outra via de proteção e autopreservação das minorias ameaçadas: Combater a violência com violência

Atentado: Um exército insurgente de alteridades dissidentes corre as ruas uniformizados em vermelho e rosa, enquanto parodiam cãnticos militares e coreografias de treinamento e condicionamento bélico. Em suas mensagens está a redistribuição de violência e a demonstração da força destes corpos quando se unem, se aglomeram e se empoderam de que o termo minoria não faz sentido numérico.

© 2021 por Murilo Gaulês & Diego Nascimento.